Diferentes formas de representação comunitária surgiram nas vilas do bairro. As lideranças se formam através da atuação em igrejas das comunidades e, até mesmo, por pessoas eleitas. Neste caso, os eleitos atuam de forma independente, sem que haja associações.

Um dos casos é no Lagoa Dourada. Lá, a atuação se dá através da Comunidade Católica Santa Paulina, ligada à Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora. As atividades, que já foram realizadas pela extinta associação, agora, ocorrem pela atuação de pessoas ligadas à Igreja.

Segundo um dos líderes comunitários do Lagoa Dourada, Rosdaniel José Vieira dos Santos, a região já conseguiu várias benfeitorias através do apoio da Igreja. Uma delas foi a construção de pontos de ônibus.

Agora, a comunidade luta pela ampliação da rota do transporte coletivo na vila. Sem uma linha que chegue à parte final do loteamento, que se localiza em uma baixada, os moradores têm dificuldade de locomoção.

Já no San Martin, um líder foi eleito apesar de a associação de moradores ainda não estar regularizada. Toda a parte burocrática para a criação de uma associação já está sendo encaminhada.

Renato Padilha, do San Martin, assumiu essa tarefa pelo fato de ninguém mais querer assumir tal função. Ele reclama: “Quando foi pra montar a chapa na eleição, tive que pegar meus parentes pra compor a chapa, porque a maioria dizia que queria as melhorias, mas não queria se envolver”.

“Quando a gente fez o abaixo-assinado para mudar a linha do ônibus, muita gente não quis assinar pelo fato de não usar ônibus”, completou Renato, citando ainda a ausência da participação da comunidade.

A aposentada, Ione de Souza, moradora do Núcleo 31 de Março, observa o contrário em sua vila. Ela, que há anos participou ativamente da associação do bairro, reconhece a tentativa dos moradores em buscar melhorias na comunidade.

“As pessoas reclamam. Algumas vêm até mim para ver se posso fazer algo”, afirma Ione. Ela tenta ajudar naquilo que consegue, através de ajuda daqueles que conheceu durante seu tempo de trabalho na associação.

Falta de organizações comunitárias no bairro Neves dificulta melhorias

Associação de Moradores não exclui necessidade de planejamento urbano em novas vilas

Editorial: Comunidade se adapta em busca de uma maior representatividade