Entulhos deixados no local atraem ratos, escorpiões e aumenta o mato do lugar - Foto: Matheus Dias

 

Os escombros construíram um lar para ratos, baratas e escorpiões e assustam as mães dos alunos que frequentam o Centro Municipal Infantil (CMEI) Augusto Canto e a Escola Municipal Dom Quintiliano. Insetos  peçonhentos têm sido vistos pela população nas calçadas próximas às instituições.

Roberta Cristina da Silva Santos expressa a preocupação com os dois filhos matriculados no Augusto Canto. “Minha preocupação é que os bichos piquem eles, que aconteça alguma coisa não só com eles, mas com as outras crianças também”, desabafa.

Os pais já entraram em contato com a direção tanto do centro infantil, quanto da escola municipal, para que uma providência fosse tomada. No entanto, o Núcleo e a vigilância sanitária não podem entrar no lugar, uma vez que a construção foi terceirizada. A visita fica restrita à construtora Valor, como explica a engenheira do Núcleo Regional de Educação, Letícia de Oliveira Tenório.

Cláudio José do Carmo Silva mora a menos de dez metros da construção. Ele relata que, desde agosto de 2015, os moradores convivem com as consequências do abandono da obra. “Desde que foi abandonada a construção, começou a aparecer os animais, o mais comum de ver é rato”, diz.

A preocupação aumenta com um problema que vem atormentando várias cidades brasileiras, a presença e ação do mosquito Aedes Aegypti. A moradora do bairro, Sônia Aparecida Costa,  enfatiza que, além dos animais peçonhentos, “tem muita água parada e acumulada ali. A preocupação maior é com o zika vírus”.

Materiais de construção de alto valor são abandonados no terreno cedido à construção