A votação ocorrida na Câmara Municipal de Ponta Grossa, no dia 23 de junho, que retirou termos referentes à diversidade sexual e de gênero do Plano Municipal de Educação, trouxe à tona o debate sobre como as escolas públicas tratam desses temas.

Educação pública em Ponta Grossa sofre retrocesso nas discussões de gênero

As consequências acarretadas pela retirada dos termos referentes às questões de gênero

Segundo nota sobre a votação, publicada no dia 18 de junho, pela APP Sindicato, preconceitos ligados às questões de gênero são grandes responsáveis pela evasão escolar.

“Os segmentos que não são respeitados e acolhidos nas escolas estão inclusos nas altas taxas de analfabetismo, bem como expostos e submetidos à vulnerabilidade e à marginalidade”, defende o sindicato.

A coordenadora do Grupo de Pesquisa Jornalismo e Gênero da Universidade de Ponta Grossa, Karina Janz Woitowicz, também defende que a alteração do plano contribui para desestimular os integrantes da comunidade LGTB a continuar os estudos.

A pesquisadora defende que manifestações como as que ocorreram na Câmara acarretam num estancamento da educação. “Essas reações, que vêm de determinados setores religiosos, absolutamente conservadores, têm impedido que políticas públicas, que podiam representar avanços nesse debate, consigam de fato se efetivar”.

Karina aponta que o posicionamento de seu grupo de pesquisa foi de instantânea contrariedade. “A gente entende que se trata de um retrocesso e que a escola é lugar de formar cidadãos”, defende.

Outros grupos acadêmicos, que também pesquisam questões de gênero, se posicionaram a favor do debate dentro da universidade. O pesquisador do Grupo de Estudos Territoriais do curso de Geografia da UEPG, Marcio Ornat, defendeu o diálogo com as igrejas.

Marcio acredita que “todos os cursos da UEPG deveriam ter disciplinas que debatessem gênero para que se fosse desconstruído o preconceito através do estudo”. Para ele, a universidade tem a possibilidade de chegar à comunidade através da extensão e deve ser um espaço de diálogo.

Arquivo Comunitário
25/06/2015 - Nota de repúdio à retirada das questões de gênero dos Planos Estadual e Municipal de Educação

13/04/2015 - 4º Colóquio Mulher e Sociedade tem como tema ‘Gênero e políticas públicas’