Está disponível na plataforma do YouTube o documentário lançado em comemoração do aniversário de uma década de existência da Incubadora de Economia Solidária (IESol) da UEPG. A produção audiovisual foi apresentada, em primeira mão, durante o Seminário Nacional de Economia Solidária e Tecnologia Social (SENESTS), realizado na última semana.

O documentário conta a história da incubadora. O roteiro reuniu depoimentos e entrevistas realizadas com pessoas que participaram da IESol desde a criação da entidade.
Técnica em Economia Solidária, Manuela Salau Brasil, relata que a incubadora conta com a ajuda de voluntários. Mesmo sem ganhar nada, eles contribuem para a realização do sonho da IESol.

“O documentário é uma forma de resgatar nossa história. -Há muitas outras pessoas que contribuíram, no passado e no presente, com a IESol, mas que não aparecem no documentário”, conta Manuela, que participa do programa desde a sua criação.

Dirigido por Carlos Eduardo Macagi, o documentário demorou cerca de dois meses para ser finalizado. Participaram de sua realização 16 pessoas, entre membros da equipe técnica e entrevistados.
“Eu me senti muito realizado com o resultado final, ao ver que as pessoas não só se identificaram, mas se emocionaram”, diz Carlos, diretor do documentário e participante da IESol.

A estudante de jornalismo da UEPG, Isabela Almeida, que atuou como assistente de direção, destaca a importância dessa a produção inédita da IESol. “A gente tem pouco registro desde o começo. Esse documentário é uma forma de retomar o que já foi feito e, a partir de agora, passar a documentar mais as atividades”, afirma.

A criação da IESol foi, primeiramente, encaminhada na metade de 2005 para o Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão (Cepe) como um projeto de extensão. Após algumas reuniões, ela foi aprovada como um programa de extensão no dia 27 de setembro de 2005.

Com o estatuto de programa, a iniciativa assumiu um funcionamento perene, ao contrário dos projetos, que são temporários. A Incubadora tem como princípios a autogestão, a participação direta, a cooperação, a valorização do ser humano acima do lucro, a emancipação, a justiça social e a valorização dos saberes locais.
O documentário pode ser visto através deste link.