altA peça de teatro “Quero viver de dia”, montada e interpretada por três voluntárias do Grupo Renascer, tem o objetivo de mostrar ao público um pouco do universo transexual e traz informações sobre a realidade cotidiana dessa minoria.

 

Fernanda, Débora e Lana encenaram a peça pela primeira vez em julho de 2008, no Teatro Ópera, e já se preparam para apresentá-la no próximo mês de março, no II Seminário de Direitos Humanos GLBTT (Gay, Lésbica, Bissexual, Travesti e Transexual).


O título da peça faz referência a um dos principais dilemas do público transexual, que é justamente a vontade de assumir sua identidade e conseguir enfrentar a sociedade à luz do dia.

 “A falta de oportunidade e o preconceito que a sociedade tem é o que impede a gente de conseguir um emprego e, muitas, vezes, até nos recriminam por nós andarmos na rua à luz do dia. Por isso, a prostituição, às vezes, é o único jeito que temos para sobreviver”, diz Fernanda, voluntária do Renascer e atriz na peça.
Segundo Débora, a peça foi mais uma forma encontrada de falar sobre uma das minorias que o Grupo Renascer apóia – os transexuais, travestis – e colabora não só na divulgação do trabalho da entidade, mas também reafirma a presença desse público no meio social. “Queremos mostrar que estamos aqui, ter nosso espaço respeitado e os direitos iguais a todos, pois a mesma sociedade que nos recrimina à luz do dia, nos dá o sustento a noite”, fala.

O teatro apresenta monólogos sobre a vida de personagens transexuais reais e danças.alt