Imprimir

As terras ocupadas pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) em Ponta Grossa estão sendo medidas pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). O procedimento, denominado geo-referenciamento, é um pré-requisito para o processo de compra das terras. 

 alt

 

 

 

 

 

 

 

O impasse sobre quem custearia as diárias do funcionário do Incra para a medição foi resolvido. A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), dona das terras, é quem está pagando.

Os custos se referem às despesas de deslocamento e permanência do funcionário em Ponta Grossa. O geo-referenciamento visa à delimitação das áreas a serem compradas. Segundo o ouvidor agrário do Incra Paraná, Luasses dos Santos, dentro de um “curto prazo” o procedimento estará terminado.

Depois de medida, a área será adquirida pelo Incra com vistas à transformação em assentamento rural. Feita a compra, o acampamento Emiliano Zapata adquirirá automaticamente o caráter de pré-assentamento.
 Em seguida, o Incra fará um estudo sobre o local para determinar o número de famílias que serão assentadas, quantos são os lotes, qual a produção, entre outros aspectos.
De acordo com o coordenador do MST em Ponta Grossa, Célio Rodrigues, a luta também é pelo avanço da reforma agrária. Ele explica que a regularização da área pode ajudar na construção de mais capacidade econômica para o desenvolvimento da luta em Ponta Grossa.

Mas Célio ressalva que a luta continua mesmo após a regularização. “Aqui nós trabalhamos com a nomenclatura, não de assentamento, mas de comunidade de resistência. A maioria das famílias já entende que a nossa luta não é só pela terra, mas sim pela transformação da sociedade e pela construção de um novo modelo de desenvolvimento”, afirma.

Na opinião de Luasses, a regularização de áreas de ocupação é de extrema importância. “Há um conflito estabelecido. São famílias demandando um direito constitucional à moradia, alimentação”, opina.

O ouvidor acredita que a melhor maneira de o Estado agir é adquirindo terras para a Reforma Agrária. De acordo com Luasses, isso manterá as famílias no local em que estão acostumadas, tirando-as da situação marginalizada no campo e evitando que migrem para a cidade, onde acabariam também marginalizadas.

Notícia relacionada:
“Impasses administrativos” atrasam regularização de acampamento, segundo ouvidor do Incra

Leia também:
"Ponta Grossa parou um pouco para as lutas sociais", diz coordenador local do MST
Movimentos sociais apontam os maiores problemas de Ponta Grossa
MST promove agroecologia como alternativa de produção

Categoria: Movimento Sem Terra
Acessos: 3633