Apesar de ser um abrigo, o ambiente da Apam é acolhedor. O prédio principal lembra uma escola de ensino fundamental. Há várias salas de estudos multifuncionais que as meninas utilizam para fazer as tarefas do colégio e atividades acadêmicas, acompanhadas por funcionários que as auxiliam.

 

Marcas de uma infância

Meninas em situação de vulnerabilidade social encontram abrigo e oportunidades na Apam

Editorial: Um abrigo não é um lar

 

 

O refeitório é um grande salão que comporta até 88 crianças. São servidos café da manhã, almoço em dois horários diferentes – às onze e meia da manhã, para as meninas que estudam no período da tarde, e  a uma hora da tarde para as que estudam pela manhã. Além disso, há o lanche durante a tarde e o jantar.

 

A biblioteca é um dos espaços mais populares entre as crianças. Monitorada pelo professor João Gilberto Agner Holm, a sala recebe, diariamente, as meninas,  para diversas atividades. “Fazemos leituras compartilhadas, recitação de poesias e contações de histórias, utilizamos vários recursos diferentes para dar efeitos nas narrativas, como bonecos, sons, etc.”, conta João.

 

Outra ocupação das meninas é a oficina de bordado, ministrada pela instrutora Saionara Tribeck. “Com essa atividade eu procuro trabalhar principalmente a paciência das meninas. Elas participam durante o ano da oficina e, ao final desse período, 20% do que bordaram são delas e 80% são vendidos para que, com o dinheiro obtido, a gente compre mais materiais”, relata a instrutora.

 

Atividades físicas também estão entre as favoritas das crianças. Há uma quadra de esportes coberta onde realizam atividades de recreação utilizando brinquedos como bolas, cordas e bambolês, e as aulas de ballet, oferecidas duas vezes na semana.