Uma das metas da presidente Dilma Roussef, se eleita, era a de construir seis mil creches no Brasil. Com isso, o município de Ponta Grossa recebeu, em 2009, verba para a construção de vinte Centros Municipais de Educação Infantil (Cmeis). Entre eles, estava o Cmei do Núcleo 31 de Março, que até agora não foi construído.

Foram firmados três convênios (2009, 2010 e 2011) com o prazo de dois anos para cada obra ser finalizada. O Cmei do núcleo 31 de Março fazia parte desses convênios, mas até hoje não está pronto. Na obra, foi feita a infraestrutura do local, mas o projeto não coube, obrigando a paralisação.

O projeto vem do Governo Federal e não pode sofrer alterações. A prefeitura pagou R$ 127.000,00 para a empreiteira pelo o que foi construído com a verba destinada ao projeto e agora terá que devolver esse valor a partir de verba da Secretaria Municipal de Educação.

A Secretária Municipal da Educação, Esméria de Lourdes Saveli, transferiu o local da obra do 31 de Março para outro bairro e pretende criar outro projeto para a construção de um Cmei e uma escola bilíngue para surdos, a pedido do Cepraf Geny Ribas.

“Nós estamos pedindo pro IPLAN fazer um novo projeto, um projeto próprio, pra poder construir uma nova instituição ali”, afirma.

O reinício da obra ainda não tem prazo, pois é preciso analisar o local, refazer o projeto e licitar. “No mínimo mais seis meses de trabalho burocrático”, diz Esméria.

Segundo a secretária, ao assumir o cargo no início do ano, dos vinte Cmeis, apenas seis já haviam iniciado a construção e quatorze estavam para perder a verba, que totaliza 24 milhões de reais. Para ela, a cidade precisa de 35 Cmeis, e perder essa verba seria um grande prejuízo.

Com viagens a Brasília, a secretária conseguiu recuperar os 14 Cmeis que ainda não haviam começado a ser construídos a partir do projeto chamado “metodologia inovadora”, que pretende construir os centros em até 6 meses.

“Então, quem assumisse a secretaria teria duas posições, ou deixar do jeito que estava, ou correr atrás do prejuízo e tentar salvar os Cmeis, que foi o que a gente fez”, afirma.

Arquivo Comunitário: Setor administrativo melhora, mas posto de saúde no 31 de Março ainda passa por dificuldades