O retorno da pauta “toque de recolher” espelha o aumento do fluxo de pessoas em bares e similares nos núcleos. Bares e casas noturnas que estiverem adequados às normas permanecem abertos além do horário previsto em lei municipal. Divertimento perto de casa aumenta qualidade de vida nos bairros.

Os moradores do bairro Neves não precisam mais se deslocar até o centro da cidade em busca por diversão. A violência em casas noturnas está em discussão desde 2003 em Ponta Grossa, com a criação da lei nº 7307.

A lei municipal regulamenta o funcionamento de bares quanto ao horário de funcionamento dos estabelecimentos que comercializam bebidas alcoólicas, e também alguns requisitos como isolamento acústico, estacionamento e segurança.

Segundo o advogado e presidente do Conselho Comunitário de Segurança de Ponta Grossa (Conseg), Henrique Henneberg, a mídia usa a expressão ‘toque de recolher’ de maneira errônea, para se referir a uma normativa presente na lei municipal que já existe, mas não estava sendo cumprida.

“O objetivo do cumprimento da lei não é fechar os estabelecimentos e sim readequar o funcionamento, para que a cidade possa baixar os índices de criminalidade”, finaliza.

Segundo o secretário municipal de cidadania e segurança pública, Ary Lovato, “as pessoas devem cobrar melhorias e procurar lugares que favoreçam o divertimento”. Para ele, as brigas de grupos que são marcadas e veiculadas pelas redes sociais saíram dos bairros e estão tomando conta do centro, favorecendo que a população fique perto de suas casas para se divertir.

Pablo Bueno, sócio-proprietários de uma petiscaria no Núcleo 31 de Março, acredita que a ideia é desmistificar que apenas no centro da cidade se pode encontrar lugares para sair: “Eu e meu sócio somos nascidos e criados aqui na 31, e nossa prioridade é oferecer para nossa gente diversão de qualidade e segurança, sem precisar recorrer ao centro”.

Autarquia Municipal de Trânsito faz rondas ao redor de bares e casas noturnas

Confira a lei municipal n° 7307/03

 

Arquivo comunitário

10/05/12 - Audiência Pública rejeita 'toque de recolher' e defende proibição de consumo de bebidas alcoólicas nas ruas