Imprimir

altCom o aumento do número de vereadores para 23, a Câmara Municipal não dispõe de espaço suficiente para todos, o que compromete andamento dos trabalhos. Adaptações não foram suficientes e as reclamações permanecem.

Notícias anteriores

As reformas realizadas na Câmara Municipal de Ponta Grossa para acomodar os 23 vereadores têm causado desconfortos, tanto na acomodação dos novos parlamentes, quanto para os funcionários da Casa Legislativa.

Uma das funcionárias mais antigas, Amália Paraguaçu de Abreu, está na Casa desde 1982 e hoje atua como técnica legislativa. Ela relata como era o local quando iniciou:

“Eram poucos funcionários, conhecia os vereadores apenas pela voz, pois trabalhava como telefonista já que não tinha assessor. As sessões na Câmara naquela época eram à noite”.

Sobre a acomodação dos vereadores na Câmara hoje, Amália aponta para a necessidade de uma área mais ampla. "Precisamos de espaço, estou com umas leis sendo encadernadas e não tem mais espaço. Eles vão colocando as 'coisas' (arquivos de leis) como se fosse um depósito".

 

Adaptações

O diretor legislativo, Miguel Gambassi, aponta que as novas adaptações no prédio não afetam seu setor de maneira estrutural, mas confirma a falta de espaço para o arquivamento de leis e projetos.

“O problema do espaço para os vereadores foi resolvido. O que reivindicamos é a construção do anexo porque a cidade cresceu. É preciso dar condições de trabalho”, afirma.

Parte da administração da Câmara atualmente foi alocada no prédio da Associação Municipal dos Servidos Públicos, onde funcionava a Agência de Fomento Econômico de Ponta Grossa (Afepom), transferida para o edifício Guaíra.

As adaptações que a Casa necessita para acomodar os novos vereadores e a construção do anexo deveriam ser realizadas pela administração anterior da Câmara, conforme aponta o vice-presidente do Legislativo, George Luiz de Oliveira (PMN). 

O vereador  ressalta que as mudanças não dificultaram os trabalhos dos parlamentares, que devem planejar suas atividades, com a obtenção de cópias de projetos, por exemplo.

“A ordem do dia sai com antecedência, apesar de que isso não é desculpa, pois temos tudo na internet, mas os vereadores que procuram buscar cópias de um projeto no Legislativo é só telefonar que trazem”.

A estrutura que se mantém em pé há mais de três décadas abrigava até o ano passado 15 vereadores, número que foi ampliado para 23 neste ano. Alguns gabinetes contêm espaços mínimos sem privacidade para falar com o vereador.

“O aumento do número de vereadores só colocou em uma crise maior o espaço. Hoje, pela demanda e o tamanho da cidade, os gabinetes não são ideais e não dão conta da necessidade que a Câmara tem”, explica o presidente da Câmara, Aliel Machado (PCdoB).

A carência de espaço no prédio é nítida. Um exemplo disto é um local improvisado que serve para fotocópias ao lado da sala de imprensa, com fios elétricos expostos. As obras para construção de um novo anexo estão previstas para início até o final deste primeiro semestre, segundo a Presidência da Câmara. 

Notícias anteriores

Categoria: A Câmara
Acessos: 3257