A fusão do Partido Popular Socialista (PPS) e o Partido da Mobilização Nacional (PMN), que criou a nova legenda partidária, Mobilização Democrática (MD), já tem indicações no cenário regional. 

 Oficializada na quarta-feira (17/04) em Brasília, o MD se mobiliza para criação do diretório regional no Paraná e apresenta como indicações os deputados Rubens Bueno (federal), Dr. Batista e César Silvestre (ambos estaduais). 

Na Câmara Municipal de Ponta Grossa, dois vereadores que representavam o PPS, Rogério Mioduski e Alysson Zampieri, e um da frente PMN, George de Oliveira, compõem agora a Mobilização Democrática. Com a fusão, todos estão automaticamente dentro do novo partido. 

“Não existe mais PPS. Não existe mais PMN. Existe o MD!”, ressalta George. Conforme argumenta George: “A criação do MD traz boas mudanças, seremos a maior bancada dentro da Câmara Municipal. É um partido que já nasce grande”.

George defende que a proposta da MD surge como oposição à recandidatura da presidente Dilma Rousseff em 2014: “O partido é extremamente radical. Temos uma linha radical contra governo federal, é contra Dilma mesmo! Essa é a linha, e quem não concordar, vai sair”.

A criação do novo partido possibilita que os parlamentares troquem de legenda.  Segundo o vereador, os interessados têm até 30 dias para adesão ao MD. 

“Não estudei a possibilidade de mudar de partido ainda”, disse Alisson Zampieri.  Já o companheiro de legenda, Rogério Mioduski, declara: “Aonde o prefeito for, eu vou”.

O presidente da Câmara Municipal, Aliel Machado (PcdoB), disse não esperar mudanças na Casa após a união dos partidos: “A única diferença é que agora temos três vereadores na mesma bancada”.

Mioduski também afirma não esperar modificações: “A fusão de partidos não interfere em nada”. Alysson Zampieri compartilha da mesma opinião: “A nível municipal, a junção dos partidos não tem tanta influência”.

George disse que não intenciona mudar de partido, pois já faz parte da executiva estadual e nacional da MD. “Temos expectativas de adesões, sabemos que podemos perder pessoas. Mas temos expectativa que o deputado Sandro Alex e o Prefeito Marcelo Rangel permaneçam no MD”, diz George.

O parlamentar Valdenor Paulo do Nascimento - Paulo Cenoura - (PSC) não confirmou até maio passado [fechamento desta reportagem] se ele teria interesse em mudar de legenda, mas defendeu que o novo partido altera a bancada na Câmara: “A fusão pode interferir na Câmara. Vereadores podem sair do partido, como outros podem entrar. Não vou citar nomes, mas haverá alterações na Câmara Municipal e Federal”.

Para executiva nacional da MD, o deputado federal Roberto Freire (PPS-SP) foi eleito presidente da legenda, que preserva o número 33 do PMN. A oposição ao Governo Federal nasce com 15 deputados federais, 58 estaduais, 147 prefeitos e 2.527 vereadores, segundo levantamento nos sites do PMN e PPS. 

De acordo com o cientista  político e professor da Universidade Federal do Paraná, Emerson Cervi, a criação do partido não interfere na política do país: “Não muda nada no sistema”.