No Recanto Espírita Maria Dolores funciona, desde 2009, a única escola em Ponta Grossa que atende pessoas com deficiência mental severa. Cerca de 60 alunos entre zero e 45 anos frequentam a instituição, que tem por objetivo desenvolver a sua autonomia.

Os alunos ficam na escola em período integral e desenvolvem diversas atividades recreativas e educativas. O trabalho é desenvolvido por 21 funcionários. A diretora da escola, Dóris Aparecida Bevilaqua, diz que o objetivo maior é desenvolver a vida autônoma, para que o aluno possa sozinho escovar os dentes, comer, ir ao banheiro etc. Além disso, a escolarização dos alunos, a partir de 17 anos, trabalha os conteúdos de matemática, português, geografias e outros.

A diretora explica que os alunos têm deficiências múltiplas, então todo o trabalho é feito de acordo com a capacidade de cada aluno. Eles têm aulas de educação física, artes e música. A professora Ariadne Roldan explica que a musicoterapia não tem o intuito de formar músicos, mas sim desenvolver a coordenação motora dos pacientes.

A maior dificuldade é no transportes dos alunos até o local. A escola tem um veículo com 15 lugares para o transporte de alunos que estão espalhados por toda cidade.

“Temos que fazer 3 viagens para conseguir trazer todos os alunos”, explica Dóris. Alguns pais trazem os filhos, mas há casos de alunos que pararam de vir por não ter condições de pagar van ou vir com carro próprio.

A escola é mantida pelo Estado, que repassa duas verbas por ano para a instituição. Alguns pais também ajudam com cerca de R$20,00 ao mês, mas essa contribuição não é obrigatória.

Grande parte do apoio vem de doações. Como os alunos requerem cuidados especiais, a escola recebe produtos de higiene e também doações de instrumentos que auxiliam em atividades pra melhorar a coordenação dos pacientes.

Os interessados em ajudar a instituição podem entrar em contato através do telefone (42) 3225-2091.

Arquivo Comunitário: Escola para pessoas com deficiência mental carece de recursos