Voluntários: André é estudante do ensino médio e Sônia é artista plástica

altA via também não tem calçada para os

pedestres, que andam
no asfalto.

alt 

A Lei Ordinária N.º 11.445 de 05 de janeiro de 2007 estabelece que o saneamento básico é um conjunto de serviços, infra-estruturas e instalações operacionais de:  “abastecimento de água potável, esgotamento sanitário, limpeza urbana, manejo de resíduos sólidos e drenagem e manejo das águas pluviais”.

No Jardim Esplanada a ausência de esgotamento sanitário tem levado os moradores a seguirem práticas rudimentares e inadequadas para o destino de dejetos. É comum encontrar na localidade valas abertas e fossas com o problema de trasbordamento que contribuem para a poluição do local.


Com a construção de casas populares e o aumento da população, o bairro sofre com problemas de infra-estrutura. A moradora Silvia Pereira afirma que está pensando em se mudar do local: “eu gosto de morar aqui, mas a sujeira é muito grande, os esgotos ficam a céu aberto. Meu filho já ficou doente por causa disso”.

De acordo com a agente de saúde Sandra Giovanetti, o problema no local deveria ser analisado pelas autoridades. “A sujeira e os esgotos a céu aberto, além de deixarem o local feio e com mau cheiro, também ajudam na proliferação de doenças”, afirma.

Próximo bloco: Umidade dos terrenos impede a manutenção de fossas sépticas

Texto anterior: Sem saneamento básico, esgoto corre a céu aberto no Jardim Esplanada

 

  A adolescente Camila, de 13 anos, está entre os melhores jogadores de futsal da Escolinha. Ela vai representar a cidade nos Jogos da Juventude a partir do ano que vem e pretende seguir a carreira profissional no futebol.