Ao lado do terreno abandonado da antiga Imcopa, nas ruas José Joaquim Seabra e Aluízio de Azevedo, o tráfego de automóveis e pedestres é regularmente intenso. Crianças que brincam no local são advertidos pelas mães para tomarem cuidado com o movimento.


Porém, em sextas-feiras alternadas, as recomendações são maiores. Durante a Feira Verde, programa da prefeitura que troca materiais recicláveis por frutas e verduras, um dos caminhões que faz o transporte dos alimentos bloqueia parte da rua.


Membro da Associação de Moradores de Olarias, Antônio Rogério Dias afirma que o campo de visão tanto dos pedestres quanto dos motoristas que passam pelo local é reduzido quando o caminhão da Feira estaciona. "Fica muito difícil perceber se vem carro da outra rua, o que pode ocasionar um acidente ou até mesmo um atropelamento", ressalta.


Dois caminhões são utilizados para a troca dos materiais, sendo que um deles fica na parte de dentro do terreno da antiga Imcopa. De acordo com Antônio, o ideal seria que ambos ficassem dentro do terreno, já que deixariam livre as ruas que ficam parcialmente bloqueadas.


O morador afirma que pediu para que os responsáveis pela Feira mudassem o local, mas que nada foi feito."O terreno é aberto, as pessoas iam ver que houve a mudança de local e iriam para lá", argumenta. A prefeitura se manifestou, dizendo que não recebeu a reclamação formalmente. Em nota, a prefeitura disse que não recebeu nenhuma reclamação formal sobre o assunto.


A Feira Verde fornece alimento a mais de 10 mil famílias, auxilia cerca de 110 pequenos agricultores e repassa o material reciclável coletado a Associações de Catadores de Materiais Recicláveis.