Localizada há 550m da rua Ermelino de Leão, uma das principais vias de acesso ao centro da cidade, a rua Guatemala não possui asfalto. Problemas de saúde e de tráfego de veículos são comuns.

Poeira, pedregulhos e, em dias de chuva, muito barro. A realidade dos moradores da rua Guatemala, em Olarias, muda com o clima. Predominantemente residencial, a falta de asfalto causa transtornos tanto à comunidade quanto aos motoristas que passam pela via.

Morador do bairro, Fernando Cesar de Oliveira relata que os buracos aumentam em dia de chuva. "Os carros correm risco de atolar e os pedestres podem cair", reclama. Oliveira ainda afirma que o caminhão de lixo não consegue mais subir a rua em função da falta de pavimentação.

Em períodos de estiagem, o tráfego de veículos se normaliza, porém o pó levantado pelos carros prejudica a saúde de quem passa ou reside na rua Guatemala. A moradora Ivone Machado tem filhos pequenos, que contraem alergias quando expostos à poeira. "Quando falta chuva, já compro água boricada pra hidratar os olhos e o nariz dos meus meninos", completa.

De acordo com Oliveira, houve uma reunião entre os moradores do local para decidirem uma solução para a rua, porém a minoria foi a favor do asfaltamento. "Teríamos que pagar uma parte da obra, então alguns foram contra a pavimentação", conta.

O plano de pavimentação comunitária foi fornecido pela Companhia Pontagrossense de Serviços (CPS). Antes do início da obra, uma visita foi feita no local para constatação do problema. De acordo com a CPS, o serviço  é feito por quadra e a adesão da população precisa representar 70% da metragem para que a obra seja iniciada. Ou seja, os moradores pagam 70% dos gastos e o restante é fornecido pela prefeitura.

Arquivo Comunitário: Terreno abandonado vira perigoso parque de diversões