Em assembleia, o Sintespo decide manter estado de alerta até a aprovação da proposta do Plano de Carreira dos técnicos. Diretoria prevê a produção de materiais para esclarecimento dos funcionários do ensino superior.


O Sintespo (Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos Estaduais de Ensino Superior de Ponta Grossa) decide continuar em estado de alerta até a resposta do Governo, no dia 24 de abril, sobre o Plano de Carreira dos técnicos e a aprovação da proposta salarial para os docentes. A decisão foi tomada durante a segunda assembleia do ano, na quinta-feira, dia 29, no Observatório da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), em Uvaranas.


Na assembleia foi aprovado também o indicativo de manifestação no dia 26 de abril, em Curitiba, dependendo da proposta do Governo. "O Sindicato vai continuar cobrando uma boa proposta para os técnicos. Caso isso não aconteça, ele frustrará toda a categoria", aponta Emerson José Barbosa, diretor de Comunicação do Sindicato.


Para a presidente do Sintespo, Ana Cristina De Martino, este é um momento de união da categoria. O Sindicato fará boletins que serão distribuídos no Campus Uvaranas e Central da UEPG, além de correntes de e-mails e material para os jornais.  "Agora vamos ter um trabalho de conscientização e mobilização do servidor", explica a presidente.


Resposta do Governo deixa servidores ansiosos


 "Todos estamos esperando faz tempo. Eu quero ver a resposta do governador no dia 24 de abril", aponta a agente universitária Eunice Zeainedin. Segundo ela, os técnicos já estão acompanhando o envio da proposta para a Assembleia Legislativa do Paraná.
Eunice conclui ainda que falta mobilização dos colegas. "São poucos, a maioria é de Uvaranas, aqui do Centro são bem poucos". Essa falta de participação, segundo ela, se deve pela proximidade da sede do Sindicato com o Campus de Uvaranas.