“A entidade foi criada com o intuito de conscientizar a população da importância dos deficientes em nossa sociedade, e conscientizar o próprio deficiente das suas capacidades, porque o principal problema é a aceitação do próprio deficiente.”-José Souza, presidente da Unidev.

 Com o intuito de fazer a integração entre as várias deficiências e a população em geral de Ponta Grossa, José Sousa, presidente da Unidev (União dos Deficientes Visuais), criou a instituição em 2007. Desde então, vem desenvolvendo várias atividades.

A entidade tem uma equipe voluntária que trabalha nas mais diversas áreas, ensinando às pessoas com deficiência visual e outros participantes, atividades como confecção de artesanato, massoterapia, braile, sorubã (calculadora), dança gaúcha e teatro.

Dados do censo demográfico do IBGE de 2010 apontam que em Ponta Grossa existem cerca de 10.142 pessoas com deficiência visual, desde perda total de visão até as dificuldades em outros níveis. Destes, apenas 28 participam da Unidev.

“Por causa do tamanho da nossa estrutura, não podemos atender muitas pessoas”, afirma José Souza. O que a instituição faz por colegas de outras cidades é fornecer equipamentos, como bengalas e cadeiras de rodas.

A Unidev é uma instituição independente, todos os seus gastos são pagos com a venda de artesanatos e com as massagens feitas em pacientes. Apenas o aluguel da casa sede é pago pela prefeitura.

A entidade desenvolve atividades de conscientização em escolas. “Mostramos, através de teatro, que temos uma deficiência, mas que mesmo assim podemos fazer as coisas”, diz José Souza.

A diretoria da Unidev define quais atividades serão desenvolvidas. Em parceria com a UEPG, a entidade organizou uma feira no parque ambiental, onde mais de 2mil pessoas passaram pela experiência de serem vendadas, podendo assim perceber a dificuldade de quem tem deficiência visual.

Arquivo Comunitário:  Entidade de deficientes visuais e físicos deverá ser desalojada